outubro 30, 2004

Por ti tudo, Dorleac.

A revista online Senses of Cinema é, actualmente, uma das publicações mais interessantes sobre cinema. Na edição 33, recentemente publicada, encontra-se um excelente artigo em volta do brilhante - para mim o melhor - filme de Truffaut, La Peau Douce.

Embora não venha referido no artigo, os segundos que Dorleac e Desailly tornam imortais no elevador do Hotel Tivoli em Lisboa - esta cena não foi filmada neste hotel, nem sequer em Lisboa, mas em Paris – expelem um dos momentos de maior exposição do tempo, motivando-o a não existir. É uma cena que permanece imobilizada no filme, nasce, vive, desenvolve-se sozinha, daquelas que viabilizam apetites ilógicos.