outubro 22, 2004

Festa do Cinema Francês #3

O resto, porque não há muito a dizer ou porque a vida é curta.

Agents Secrets (2004), Frédéric Schoendoerffer
Filme sobre agentes secretos, como o nome indica. Bem esboçado mas com um toque demasiado sério que cai no enjoo.

Blueberry (2004), Jan Koumen
Não sendo grande admirador desta criação para banda desenhada de Giraud, fui arrastado pelo “Western Xamânico” que classifica o filme no catálogo da Festa. Entreteve naquele sábado de tarde, mas é um filme demasiado recheado de falsos simbolismos e uma miscelânea de várias histórias de Blueberry. O resultado chega a ser coerente, no entanto, perde-se nas explicações visuais exageradíssimas no final.

Exils (2004), Tony Gatlif
Interessante pelos caminhos opostos que os filhos de retornados e alguns emigrantes da Argélia tomam. Tirando o portentoso final, está recheado de clichés e banalidades.

Le Chien, Le Général et Les Oiseaux (2003), Francis Nielsen
Falha inicialmente por dar de imediato a sensação de história contada. No entanto, a segunda metade é bastante mais interessante, embora muito presa a um imaginário cada vez menos apelativo ou estimulante.

Il se Mariènt et Eurent Beaucoup d’Enfants (2004), Yvan Attal
O melhor desta pequena lista. Entusiasmou-me pela forma como delimita e separa os momentos de comédia das cenas mais “sérias”. Consegue passar pelo humor, drama, a fantasia sem cair em grandes pretensões, cumprindo seriamente aquilo a que se compromete. Espelha n situações não declaradas ao longo do filme e consegue abordar a seriedade/problemas de uma relação de forma ligeira, mas séria, e muito suave. Talvez o filme (arrisco dizer sem ter visto grande parte do programa) mais confortável desta quinta edição.