julho 20, 2004

Ainda Cesare Pavese

Ao entardecer, na casa de Gaminella, contava estas coisas a Angiolina, a Padrino, a Giulia, se esta não tinha ido também, e Padrino dizia: - É um homem que nos pode comprar a todos. Lanzone está bem com ele. Sor Matteo não há-de morrer na rua. Podes acreditar. - Até o granizo, que levou a colheita, não caiu do outro lado do Belbo, e todos os campos da planura do Salto reluziam como o lombo dum boi. - Estamos arruinados - dizia Padrino -, como hei-de agora pagar ao Consórcio? - Já velho como era, o seu grande medo era terminar sem tecto nem terra. - E porque não vendes? - dizia-lhe Angiolina. - Vamos para qualquer outro sítio! - Se a mãe ainda fosse viva - murmurou Padrino. - Compreendi que aquele Outono seria o último, e quando subia a vinha ou ladeava a ribeira sobressaltava-me pensar que alguém me chamasse como a um intruso, que alguém me pusesse fora. Sabia que já não era ninguém.
 
A Lua e as Fogueiras